Planejamento em rede é estratégia que aprimora a educação

Com organização e cronograma comuns a toda a rede de Educação, municípios podem promover ensino equitativo entre todas as escolas e crianças


Em Canoas, assim como nos demais municípios parceiros do Pacto pela Alfabetização, o processo de ensino-aprendizagem se dá por cronograma compartilhado entre as escolas das redes de Educação



Ao contrário do que muitos pensam, educação pública pode e deve ser de qualidade. A conquista de excelência, no entanto, precisa ser coletiva, ou seja, em nível de rede. Embora seja esse o cenário ideal, ainda não acontece.


Quando se fala em educação de excelência (bom nível de aprendizagem aliado a baixos indicadores evasão e repetência), o que vem à mente são exemplos de escolas que se tornaram modelo mundo afora – é o caso da Escola da Ponte, em Portugal, que utiliza uma estrutura inovadora sem turmas e salas. No entanto, essas são iniciativas isoladas.


Enquanto iniciativas como essa se destacam, as escolas vizinhas, às vezes no mesmo bairro, continuam enfrentando os problemas de sempre. E, assim, a desigualdade de aprendizagem – e até de oportunidades, no futuro – vai se acentuando entre crianças da mesma região.



Como promover ensino equitativo


O planejamento em rede é uma estratégia que torna a educação mais equitativa, já que organiza tudo que se refere à aprendizagem de forma comum a todas as escolas. As crianças têm acesso ao mesmo ensino e têm as mesmas oportunidades.

O Pacto pela Alfabetização, programa para aprendizagem infantil do Instituto Raiar, adota um sistema de ensino estruturado em rede que é ofertado aos municípios parceiros, visando justamente a promoção de educação pública de qualidade para todas as crianças.


A metodologia utilizada é desenvolvida pelo Instituto Alfa e Beto, uma referência em soluções para a educação brasileira – o IAB é a única instituição do país que tem programas estruturados com base em evidências científicas. A metodologia é também a mesma utilizada nos municípios de Sobral/CE e Teresina/PI, ambos municípios que vem liderando o ranking do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).


O Pacto e o planejamento em rede


Como tudo acontece: as redes de Educação que aderem ao Pacto compartilham um cronograma que orienta os conteúdos e as atividades das escolas. As crianças e os professores recebem material didático – e estes ainda contam com suporte integral de assessores pedagógicos. Assim, o professor ganha apoio e subsídio para estar em sala, sem deixar de lado sua forma de dar aula, sua prática pedagógica e sua autonomia.


Leia mais: Autonomia e resultados: a opinião de uma professora do Distrito Federal sobre o ensino estruturado


No município de Canoas/RS, que aderiu ao Pacto em 2021, o planejamento em rede já demonstra sinais de resultado. “O Pacto nos trouxe organização de trabalho e novas práticas que agregaram àquelas que já faziam parte da rotina dessa rede tão qualificada”, explica Mabel Vieira, coordenadora do Pacto pela Alfabetização no Município.


A rede municipal de Canoas, que conta com mais de 9 mil crianças matriculadas entre Pré II, 1º e 2º anos, além de 300 professores, passou por um processo de diagnóstico pré-implantação do programa, o que permitirá avaliar resultados logo após o primeiro ano de execução.


Enquanto isso, os profissionais têm atuado de forma consistente para apoiar o processo de alfabetização e desenvolvimento de cada criança. A partir das reuniões de planejamento quinzenais, eles compartilham ideias, trocam experiências e organizam a próxima quinzena. “Graças a isso hoje já temos resultados expressivos que demonstram que as ações têm sido um diferencial no processo de ensino-aprendizagem de todas as etapas que o programa abrange”, conta Mabel.


LEIA MAIS: Em Sapucaia/RS, diretores criam estratégias com base em indicadores de aprendizagem

165 visualizações

Posts recentes

Ver tudo