Com Pacto pela Alfabetização, Sapucaia/RS monitora déficit de aprendizagem e prepara recuperação

Por conta da pandemia, desempenho em leitura das crianças está abaixo do esperado, mas a avaliação e o monitoramento contínuo realizado pela rede municipal gaúcha representam um avanço na gestão da educação pública



No início do ano passado, o município de Sapucaia do Sul, no Rio Grande do Sul, assumiu um compromisso com o desenvolvimento de suas crianças, por meio do Pacto pela Alfabetização. A mudança, que visa alfabetizar as crianças ao final do 1º ano, no entanto, veio acompanhada do distanciamento social necessariamente imposto pela pandemia.


Longe da escola, ficou mais difícil promover a alfabetização de cada criança. Passado o primeiro ano de afastamento das escolas, a rede municipal de Sapucaia do Sul monitora o déficit de aprendizagem entre os alunos dos anos iniciais. O resultado veio após aplicação de testes, que foram avaliados pelas equipes de direção e supervisão.


Com esse diagnóstico em mãos, foi possível identificar, por exemplo, que existem escolas da mesma rede com níveis discrepantes de resultado – a diferença também aparece entre turmas da mesma escola. A partir dessas informações, a rede está identificando quem precisa de apoio – e em quais aspectos.


“Com o monitoramento é possível verificar o que precisa ser proporcionado a cada aluno, cada turma e cada escola para o avanço na aprendizagem de forma satisfatória, alinhando o trabalho de toda a rede”, explica Diane Christ Dutra, coordenadora do Pacto pela Alfabetização Sapucaia do Sul.


Inovação na gestão pública da educação


Em 2020, a meta do município era ter 70% das crianças alfabetizadas ao final do 1º ano. Em função da pandemia, apenas 28% alcançaram os níveis esperados em leitura e escrita.


“O resultado não é positivo, mas a avaliação nos possibilita acompanhar e fazer uma recuperação imediata”, explica Diane, mencionando o programa intensivo de recuperação da aprendizagem que já está sendo realizado no município. Todas as crianças de 2º ano que saíram do 1º ano sem conseguir ler participam.


O monitoramento a partir de indicadores, guiado por um protocolo educacional que oferece possibilidades efetivas de intervenção, é um recurso inovador – e ainda pouco utilizado no Brasil.


“Evidente que não há como comemorar quando se tem apenas 28% de crianças alfabetizadas. No entanto, o distanciamento da escola prejudicou a todos e é extremamente necessário que as redes de educação possam identificar o déficit de aprendizagem de seus alunos”, explica Jaqueline Machado, diretora-executiva do Instituto Raiar. “O que precisa ser celebrado é a coragem de olhar para esse cenário, identificar os desafios e iniciar a ação concreta para alcançar bons resultados. É isso que Sapucaia está fazendo com apoio do Pacto pela Alfabetização e, em breve, teremos resultados positivos para, de fato, comemorar.”


Sobre o Pacto


O Pacto pela Alfabetização, programa de aprendizagem de iniciativa do Instituto Raiar para as redes municipais brasileiras, vem promovendo a aprendizagem das crianças nos anos iniciais. Ao possibilitar a alfabetização e contribuir com o direito à educação básica de qualidade, estamos favorecendo o desenvolvimento de cada criança – e o futuro de um novo amanhã para o Brasil.

188 visualizações

Posts recentes

Ver tudo